Blog - Últimas notícias

Um milhão de vagas de gerente eliminadas! Será o fim do capataz?

Notícia recente no UOL mercado informa que um milhão de vagas de gerente foram eliminadas na última década, somente no Brasil.

por Joel Solon Farias Azevedo, PMP, CBPP
Sócio-diretor da ProValore

A matéria cita como algumas das causas o corte de custos, a informatização e a fusões de empresas.

Mas não é bem assim, ou não é só isto!

O Brasil é o país do capataz, tão bem definido pelo Waldez Ludwig (veja o link para o vídeo no Youtube) como aquele sujeito desnecessário, que não faz absolutamente nada e que adora assinar documentos, cobrar relatórios dos outros e até mesmo olhar para o relógio quando você está chegando ou saindo do trabalho.

Se no mundo todo a gerência média é mais problema do que solução, aqui é pior ainda!

Pois vamos listar algumas causas bem tupiniquins:

Ausência de avaliação do desempenho

A combinação da não avaliação de desempenho dos processos e das pessoas e a injustiça para com os mais produtivos e inovadores provoca um nivelamento por baixo para uma produção mínima aceitável, e não a desejável para a organização.

Desenvolvimento gerencial deficiente

A deficiência nos processos de seleção e desenvolvimento gerencial concorre para a alocação de pessoas despreparadas em postos gerenciais (com o perfil de capataz), com funções voltadas unicamente para controle e não de liderança. Tal condição, na prática, abre espaço para oportunistas.

Burocracia excessiva

A burocracia excessiva permite a manutenção e mesmo a criação de processos e atividades desnecessárias e sem valor algum para a organização, o que dá a desculpa/justificativa de pedir mais gente. E mais gente demanda mais espaço, mais recursos e mais cargos, e naturalmente, mais poder para as áreas e gerencias médias. Em troca de ainda mais ineficiência.

Alta liderança despreparada

A alta liderança ainda cai no conto de que determinada área precisa de mais gente, o que de regra não é verdade. De regra, também, o desempenho dos processos não é medido ou gerenciado e, portanto, não se consegue aferir a produtividade na área postulante por mais recursos, que se concedidos só costumam aumentar o problema.

Má fé

Sim, má fé por parte de quem bloqueia as soluções que, ao contrário, liberariam recursos humanos de atividades desnecessárias que seriam eliminadas por meio da organização, simplificação e automação de processos de trabalho com foco na entrega do valor requerido pelos clientes.

Convenhamos, na era do teletrabalho com gerenciamento remoto e efetivo dos resultados, o supervisor/capataz é totalmente desnecessário.

São muitas as consequências para as organizações:

Ineficiência e baixa produtividade

As estruturas inchadas derrubam a produtividade brasileira, que é ainda menor do que a da Argentina, pasmem! Veja a matéria Entenda por que a produtividade no Brasil não cresce, da BBC Brasil.

A Lei de Parkinson levada ao extremo

Parkinson, um militar inglês, formulou ainda em 1955 que “o trabalho se expande para preencher o tempo disponível para ser concluído.”  Desta forma, pessoas bem ou mal-intencionadas distribuem suas atividades de forma a preencher a sua carga horária. E inventar trabalho inútil! E mais: de acordo com Parkinson, a lei baseia-se em dois fatores:

a. que funcionários querem multiplicar subordinados, não rivais;

b. que funcionários criam trabalho uns para os outros.

Conclusão

O resultado na prática é um inchaço tal que funciona com um câncer organizacional, e a constatação de que o trabalho (inventado e desnecessário) sempre aumenta, independentemente do aumento real da quantidade de trabalho necessário.

O que temos visto nas organizações com as quais trabalhamos é que pessoas bem ou mal-intencionadas complicam suas atividades e aumentam as suas funções de forma a criar trabalho inútil e desnecessário, que no limite representa a ativação de mais cargos de gerência média, algumas vezes até para eles mesmos.

 

interrogQuer saber mais sobre nós? 

Veja nossas opções de treinamentos
Veja nossas abordagens de consultoria 

 

Fique por dentro de tudo que acontece na gestão!

Informe o seu email abaixo e receba as nossas publicações.

ProValore Consultoria de Gestão e Desenvolvimento Gerencial | Fone 61 4042 3586 | Brasília - DF | e-mail contato@provalore.com.br - Enfold WordPress Theme by Kriesi