Gente grande discute ideias, gente medíocre discute comportamento

www.administradores.com.br

30/10/2009 – Se eu acreditar que a maioria das pessoas não consegue lidar com a verdade, eu passarei a praticar o ato de esconder a verdade das pessoas. Eu passarei a viver uma vida onde eu escondo o que eu realmente penso e sinto. O resultado será uma vida cuidadosa na qual ninguém e nada está em imediato perigo.

Querida(o) Amiga(o),

Já dizia Confúcio: “Gente Grande discute idéias, Gente Medíocre discute comportamento”. Confúcio foi um filósofo chinês que viveu há dois mil e quinhentos anos atrás, ele foi o primeiro cara a andar por esse planeta e dizer coisas do tipo “Trate os outros como você gostaria de ser tratado”, “Ame ao próximo como a si mesmo”, “Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha”, “Ver o bem e não fazê-lo é sinal de covardia” e “Se não sabes, aprende; se já sabes, ensina”.

Confúcio foi um cara prático, voltado para resultados; ele queria a evolução das pessoas, do mundo, da sociedade. Ele não foi um cara político, de meias palavras, ou com desejo de agradar a todos ou passar a mão na cabeça dos medíocres. Ele veio, disse, e caiu fora; para o bom entendedor, meia palavra basta.

Hoje, a grande maioria dos executivos e profissionais de recursos humanos ainda estão na fase do trabalhar o comportamento das pessoas. Pouca praticidade e muita enrolação. Muitos sorrisos amarelos e poucos dedos nas feridas. “As pessoas estão desmotivadas”, eles dizem. “Caramba, que lixo”, diria Confúcio, e completaria “Por que tanto medo em investigar a realidade?”.

Você faz idéia, por exemplo, de como um alto executivo de uma empresa bacana que faz anúncios na novela das oito contrata o seu futuro diretor? Ele chama um headhunter (o cara que caça boas cabeças) e passa a ele seguinte necessidade, “Meu amigo, eu preciso de um diretor de vendas agressivo, simpático, aberto a novas idéias, que saiba se relacionar com pessoas diferentes, goste de tecnologia, seja um líder nato, seja humilde blá blá blá”. O headhunter, insiste, antes de sair da sala, em descobrir exatamente o que significa “agressivo”, ou “simpático”, ou “aberto a novas idéias”, mas, infelizmente, o quê ele ouve é “Ah, você sabe, o cara tem que vir motivado de casa, afim de fazer os números, impor respeito, fazer as pessoas gostarem dele”. O headhunter, tenta, de novo, esclarecer o que seja, “impor respeito”, “fazer os números”, mas, depois de diferentes tentativas e erros, o headhunter chega a conclusão que encontrou mais um cliente que não tem a mínima idéia do tipo de prof issional que ele precisa porque não tem a mínima idéia do que ele precisa fazer.

Perde-se um tempo incrível dentro das empresas com jogos empresariais e motivacionais para despertar a estrelinha brilhante que existe dentro de todo “colaborador” (Argh!!! Quanta besteira!) , e investe-se, digamos, zero de tempo para simplesmente clarear o que cada um tem que fazer , e quem faz exatamente o quê.

A melhor coisa que você pode fazer pelas pessoas que trabalham com você, para você, por você, contra você, é perguntar a elas TODOS OS DIAS: “O que você está fazendo hoje?” Pessoas com autoridade, deveriam fazer essa pergunta TODOS OS DIAS para os seus comandados; Pessoas sem autoridade, deveriam fazer essa pergunta todos os dias para os seus comandantes. De fato, toda essa turma deveria quebrar a cabeça para pensar em criar e utilizar algum tipo de software que liga TODAS as atividades que essas pessoas desempenham. NADA que não esteja dentro de um sistema que interliga as pessoas deveria ser feito.

Hoje, toda uma nova safra de softwares para estimular a colaboração real entre as pessoas está a caminho. O GoogleWave da Google é um exemplo. As novas versões dos softwares da Microsoft é outro exemplo. O Twitter – a maior febre da internet na atualidade -, milhões de novos usuários todos os dias, é outro bom exemplo. O Twitter nasceu da simples idéia de ajudar as pessoas a compreender o que o colega ao lado está fazendo em um determinado momento.

“O que você está fazendo hoje?” é a mais importante de todas as perguntas sobre produtividade, colaboração, progresso, proatividade e afins que você poderia fazer a uma pessoa para ajudá-la a permanecer nos trilhos do progresso. “O que você está fazendo hoje?” é a mais importante de todas as perguntas.

E infelizmente, a menos utilizada. A grande maioria das pessoas tem medo de questionar o trabalho do colega ao lado. Tem medo de colocar o dedo na ferida, tem medo de descobrir que o cara ao lado não passa de um grande enrolão, e desmascarar o preguiçoso.

Na época dos nossos pais, os seus colegas sabiam o que eles estavam fazendo porque havia pouca coisa para fazer. As atividades não eram especializadas, o cara que apertava porca e parafuso na indústria A poderia muito bem apertar porca e parafuso na indústria B. Os métodos eram poucos, simplórios, e utilizados igualmente em todos os lugares. O conhecimento para plantar Aipim na Bahia era o mesmo utilizado em São Paulo para plantar Mandioca. E a vida caminhava de Sol a Sol.

Hoje, as coisas são completamente diferentes. Se um grupo de cinco pessoas que trabalham juntas não tiver um plano de execução absolutamente cristalino sobre as atividades que cada um tem que fazer nos próximos dias para chegar em algum lugar, a coisa simplesmente não caminha para lugar algum, e no final do dia não é tão produtiva quanto poderia ser. Individualmente, os caras batem cabeça, batem pino, não conseguem se organizar, planejar, chegar em algum lugar realmente bacana. Ou, na pior das hipóteses, cada um se organiza de um jeito, a sua maneira, sem qualquer ligação com o resto da turma. Funcionar não basta, realmente não basta, você, eu e todos nós precisamos levar muito a sério a idéia da colaboração.

Mas a questão é: colaborar com o quê?

Bom, em primeiro lugar alguém precisa aterrissar o avião!

Hoje, na frente do meu escritório, duas mil pessoas estão trabalhando diariamente na construção de um sofisticado condomínio de seis prédios de trinta andares. Piscinas, bosques, quadras de tênis, lan houses, salões de festa e tudo do bom e do melhor está sendo construído por pessoas que não tem o segundo grau completo. Toda sexta-feira, há alguns meses, mil e novecentas pessoas terminam um pavimento inteiro em todos os edifícios, rumo a um objetivo comum, sem, imagino, a necessidade de criar programas de incentivo, motivação, realizar reuniões de staff para fazer a turma trabalhar, discutir comportamentos sobre o que tem que ser feito.

Por que, em nome de todos os deuses, nós precisamos utilizar toda uma panacéa motivacional para fazer milhões de trabalhadores com nível superior ou acima, muito bem acomodados em seus escritórios almofadados, protegidos do sol, da chuva e do vento, a atingir um determinado resultado enquanto uma galera com uma formação infinitamente menor faz e acontece?

Por que?

Porque o resultado que os caras tem que atingir não é claro. Porque a maneira de construir o prédio não é claro. Porque a maneira de manusear as ferramentas para a construção do prédio não é clara. Porque um grupo X de pedreiros não sabe o que o grupo Y de gesseiros está fazendo na sala fechada do outro lado do escritório.

Porque pessoas são contratadas pelo seu comportamento, aparência, escola que estudou, amigos que tem, ao invés de contratar as pessoas pelo conhecimento que possuem nesse exato momento para realizar uma tarefa necessária para o grupo evoluir. Porque quem já está no barco não tem vontade ou boa vontade para sentar durante algumas horas e discutir com profundidade o que cada um deve fazer, ou deixar de fazer, para juntos, como um grupo, chegar em algum lugar concreto. Por que, uma vez iniciada a construção, ninguém tem energia o suficiente para perguntar: “O que você está fazendo hoje?”.

Um novo mundo do trabalho vai se abrir se você cutucar as feridas e questionar o trabalho que supostamente está sendo feito pelas pessoas. Você vai descobrir que não precisamos de todos, todos os dias, sentados nos mesmos lugares, tomando conta dos seus territórios. Você vai descobrir que os territórios se governam sozinhos, e a grande maioria dos problemas se resolvem sozinhos.

Já dizia Peter Drucker, o Confúcio dos tempos modernos, “Uma organização já não se constrói na base da força, mas da confiança. A existência de confiança entre as pessoas não significa necessariamente que uma goste da outra. Significa apenas que uma entenda a outra. Assumir a responsabilidade por relacionamentos é, portanto, uma necessidade absoluta. É um dever. Seja a pessoa um membro da organização, um consultor, um fornecedor ou um distribuidor, ela deve tal responsabilidade a todos os colegas de trabalho”

As empresas, do mesmo jeito que os projetos de construção civil com seus milhares de pedreiros e gesseiros, deveriam ser construidas para se desmantelar assim que um objetivo fosse atingido. A grande verdade é: as pessoas e as qualificações necessárias para lançar um produto são diferentes das pessoas e qualificações necessárias para manter o produto no mercado, e são diferentes das pessoas e qualificações necessárias para tirar o produto do mercado.

Por mais aterrorizante que um cenário de desconstrução de equipes, mexida de cadeiras, e questionamento diário sobre “O que você está fazendo hoje?” possa parecer para você, é exatamente esse tipo de cenário que o mundo precisa para criar trabalho e oportunidades para milhões de pessoas que estão a mercê de uma sociedade comandada por pessoas que não tem a mínima idéia de onde querem chegar.

Vamos parar com a enrolação. Vamos discutir exatamente o que cada um tem que fazer. O quê eu faço, o quê você faz, o quê ele faz, o quê nós fazemos, e ponto. A empresa começa aí, e termina quando a tarefa estiver terminada; e você, termina junto.

NADA MENOS QUE ISSO INTERESSA.

QUEBRA TUDO! Foi para isso que eu vim! E Você?

Ricardo Jordão Magalhães
Onde Confúcio encontra Peter Drucker

Invista no desenvolvimento da gestão e dos gestores para melhorar os resultados da sua organização:

Veja nossas opções de treinamentos
Veja nossas abordagens de consultoria 

Cadastre-se e receba semanalmente as melhores dicas e práticas de gestão no seu e-mail.

Na mensagem de boas vindas você receberá o e-book Guia de Planejamento Estratégico para 2023 com o passo a passo do processo de planejamento.